Venda Fracionada

Farmácias tentam frear venda de "pílula solta", discutida desde governo Lula

Pensado para baratear compra de remédios, projeto de lei tramita no Senado

10/06/2019 00:00:00
Reprodução

Uma antiga pedra no sapato voltou a incomodar as redes de farmácias: a venda fracionada de remédios, em que o consumidor não precisa adquirir uma caixa inteira do medicamento, apenas a dose prescrita.

Uma audiência com representantes do setor foi convocada para terça (11) no Senado para ouvir argumentos contrários e favoráveis a um projeto de lei que torna o fracionamento obrigatório. As drogarias são historicamente contra a mudança.

Enxaqueca O fracionamento leva pacientes a tomarem doses erradas e, consequentemente, ao surgimento de problemas crônicos no futuro, diz Sergio Mena Barreto, da Abrafarma (que reúne as grandes redes).“É um tema antigo, da época do Lula”, afirma.

Na medida O principal argumento a favor da medida é que, além de gerar economia e reduzir desperdício, há menos sobra de remédio dentro das residências, o que evita automedicação.

Workshop A multinacional chinesa de tecnologia Huaweitreinou funcionários da Anatel sobre tendências da nova geração de internet móvel 5G no mês passado.

Longa data Na sexta (7), após  o vice-presidente Hamilton Mourão dizer ser favorável às operações da companhia no país, o serviço foi citado dentro da fabricante como prova da antiga relação com o governo brasileiro, em um momento em que Trump boicota a asiática nos EUA.

Rotina A relação pragmática é similar à de competidoras estrangeiras de 5G. Ericsson e Qualcomm também entraram na agenda de treinamento.

Saldo Enquanto perde parceiros como Facebook e Google, a Huawei se segura de outro lado. Além do depoimento de Mourão, que negou ao Valor Econômico qualquer intenção de copiar o bloqueio dos EUA, a empresa vai fornecer infraestrutura para a maior operadora da Rússia.

No bolso O tema deve entrar na reunião de cúpula do Brics, em novembro. Com preço até 20% mais barato do que as concorrentes na corrida do 5G, especialistas acham difícil que o bloco repudie a Huawei.

Sirene Além do anúncio de que vai reformar 120 delegaciascom ajuda da iniciativa privada em um investimento de R$ 480 milhões, o governador paulista João Doria negocia com bancos uma parceria para investir em sistemas de tecnologia para controle de viaturas. As conversas ainda estão no início e, por ora, sem sinal positivo das instituições.

Mais Brasil As viagens que o presidente da Caixa, Pedro Guimarães, tem feito pelos rincões desde que assumiu o cargo mostraram ao executivo de currículo construído na avenida Brigadeiro Faria Lima o que é a pobreza de verdade.

Menos Faria Lima Entre os momentos de impacto, quem o acompanhou cita a visita ao Piauí, em que Guimarães se comoveu ao ver uma jovem mãe em sua casa de taipa sem banheiro. Na ocasião, contou que sua referência de área carente era a Rocinha, mas disse que no Piauí é mais dramático.

Cifras Nas visitas, o executivo destaca o papel do banco no pagamento de benefícios e programas de inclusão como Bolsa Família e seguro-desemprego. Em média, são 18 milhões de pagamentos mensais, cerca de R$ 7,5 bilhões.

Contratos Nos destinos visitados foram celebrados, nos últimos dois meses, novos contratos de financiamento da ordem de R$ 390 milhões para obras de saneamento, mobilidade, infraestrutura urbana e modernização administrativa, segundo o banco.

Calmaria Depois de assistir a uma alta acumulada de 93% no preço de asfalto de janeiro de 2018 até o início deste ano, o setor de construção pesada baixa a guarda.

Tempestade No primeiro semestre, as construtoras voltaram a observar alguma estabilidade nos preços. Houve um único aumento em 2019, em janeiro, de 10,5%. As dificuldades fiscais no país e a baixa atividade na área de infraestrutura, no entanto, ainda assombram o setor


Cidadão Consumidor
Fonte: Folha Online



Outras Notícias Relacionadas